Cyro Monteiro foi o intérprete mais constante e importante de Geraldo Pereira: 13 sambas, vários deles transformados em sucesso. O encaixe perfeito entre o canto de um e as composições do outro é detalhado neste episódio, assim como a amizade entre os dois. Geraldo chamava Cyro de “padrinho”. Histórias divertidas são contadas por Pedro Paulo Malta e Rodrigo Alzuguir.

Repertório

Escurinho (Geraldo Pereira)/ Falsa baiana (Geraldo Pereira) – Cyro Monteiro, 1968
Acabou a sopa (Geraldo Pereira e Augusto Garcez) – Cyro Monteiro, 1940
Ela não teve paciência (Geraldo Pereira e Augusto Garcez) – Cyro Monteiro, 1941
Quando ela samba (Geraldo Pereira e J. Portela) – Cyro Monteiro, 1942
Ai, mãezinha (Geraldo Pereira e Ary Monteiro) – Cyro Monteiro, 1946
Até hoje não voltou (Geraldo Pereira e J. Portela) – Cyro Monteiro, 1946
Voltei, mas era tarde (Geraldo Pereira e Príncipe Pretinho) – Cyro Monteiro, 1944
Pisei num despacho (Geraldo Pereira e Elpídio Vianna) – Cyro Monteiro, 1947
Chegou a bonitona (Geraldo Pereira e José Baptista) – Blecaute, 1948
Escurinho (Geraldo Pereira)/ Ilmo Sr Cyro Monteiro ou Receita pra virar casaca de neném (Chico Buarque) – Chico Buarque, 1973

Depoimentos: Vinicius de Moraes, Cyro Monteiro e Cristina Buarque

Concepção, pesquisa e apresentação: Pedro Paulo Malta e Rodrigo Alzuguir

Edição: Filipe Di Castro