Em 1976, quando Tom Jobim lançou um de seus melhores discos, Urubu, Joaquim Ferreira dos Santos foi escalado para entrevistá-lo. A ideia era passar a limpo sua carreira, fazê-lo recordar datas, fatos, histórias. Mas entrevistar Tom era dureza, recorda o repórter e cronista. A mente do maestro flanava por planetas de interesses que nós, pessoas comuns, não alcançávamos. “Olha quem está vindo lá”, apontava Tom, interrompendo uma resposta sobre Vinicius de Moraes. Era um urubu. A todo momento um urubu pousava na conversa.

As crônicas de Joaquim Ferreira dos Santos também podem ser ouvidas no canal de podcasts Rádio Batuta. Baixe o app na loja de sua preferência (como App Store e Google Play).

Texto e locução: Joaquim Ferreira dos Santos

Edição e sonorização: Filipe Di Castro