O cantor Vassourinha, nome artístico do paulistano Mário Ramos, teve uma carreira curta em disco. Ele gravou seu primeiro 78 rotações em 1941 e teve tempo de apenas mais cinco compactos simples, pois morreu em 1942, tuberculoso, aos 19 anos. Deixou 12 músicas gravadas, todas de grande qualidade e cantadas num estilo bem pessoal, balançado, brincando com os breques. Era um cantor de bossa, ao jeito de Mario Reis e Luiz Barbosa. Vassourinha gravou exclusivamente sambas. Amanhã tem baile, de Haroldo Lobo e Milton de Oliveira, foi uma das suas últimas gravações, em 1942. O acompanhamento é do conjunto de Benedito Lacerda, que se encarrega da flauta.

 

Seleção e texto: Joaquim Ferreira dos Santos

Edição: Filipe Di Castro