Carlos Althier de Souza Lemos Escobar, o Guinga, acreditava que sua obra, considerada por alguns como “complexa, difícil”, estava fadada à posteridade. Aos 68 anos, porém, ele está mais do que reconhecido como um dos principais compositores brasileiros, dono de uma originalidade que cativa especialmente os músicos mais jovens, que o têm como grande referência.

Nesta entrevista a Luiz Fernando Vianna, no estúdio da Batuta, ele fala de sua infância pobre, da importância do rádio na sua formação, do Rio de Janeiro que conhece como poucos (é um andarilho da cidade), dos principais parceiros e recorda um encontro com Pixinguinha. Ainda toca e canta a autobiográfica Meu pai.

Repertório

Rádio Nacional (Guinga) – Guinga

Meu pai (Guinga) – Guinga no estúdio da Batuta

Porto de Araújo (Guinga e Paulo César Pinheiro) – Guinga

Bolero de Satã (Guinga e Paulo César Pinheiro) – Mônica Salmaso

Canção do lobisomem (Guinga e Aldir Blanc) – Guinga

Catavento e girassol (Guinga e Aldir Blanc) – Maria João e Guinga

Domingo de Nazareth (Guinga) – Guinga

 

 

Apresentação: Luiz Fernando Vianna

Edição: Filipe Di Castro