Recordações do escrivão Isaías Caminha foi o ponto de partida para o escritor João Paulo Cuenca, em conversa com Paulo Roberto Pires na Casa do IMS, falar sobre sua profunda admiração por Lima Barreto. “O autor não venceu, mas a obra sim”, disse Cuenca. “Seus livros eram reflexos tão perfeitos da sociedade que se tornavam ofensivos.”