As mulheres sofriam nos sambas da primeira metade do século XX, reflexo de uma sociedade ainda mais machista do que a atual. Incomodam, hoje, letras que tratam como natural e até desejável que mulheres apanhem. Mas as melodias, excelentes, garantem por si só a longevidade das composições. E o machismo, ainda que residual, continuou presente no samba nas últimas décadas.

Repertório

O maior castigo que eu te dou (Noel Rosa) – Aracy de Almeida

Mulher de malandro (Heitor dos Prazeres) – Francisco Alves

Dinheiro não há (Ernani Alvarenga e Benedito Lacerda) – Beth Carvalho

Emília (Wilson Baptista e Haroldo Lobo) – Vassourinha

Logo agora (Jorge Aragão e Jotabê) – Emílio Santiago

Ai, que saudades da Amélia (Ataulfo Alves e Mário Lago) – Ataulfo Alves

 

Apresentação: Luiz Fernando Vianna (com Petria Chaves, da CBN)

Roteiro: Luiz Fernando Vianna

Edição e sonorização: Filipe Di Castro