Horacio Castellanos Moya praticou em Asco, romance lançado no Brasil, a arte de fazer inimigos. No livro, o escritor demole El Salvador, país para onde foi aos 4 anos depois de nascer em Honduras. Usa insolência e irreverência para montar um painel corrosivo sobre a capital San Salvador e os salvadorenhos. Sentiu-se obrigado a se exilar, mas produziu um grande livro, conta Paulo Roberto Pires.

 

Edição e sonorização: Filipe Di Castro