Como boa tropicalista, Gal Costa gravou, nos anos 1970, Alguém me disse, sucesso do repertório de Anísio Silva. Mas nem assim o baiano se livrou do estigma de cantor brega. Chamava a mulher amada de “divinal querer” porque era do tempo em que o brasileiro gostava de falar bonito, defende Joaquim Ferreira dos Santos. O cronista o classifica como um falso brega. Não levantava a voz, não soluçava, não rasgava a roupa em cena. Parecia narrar, quase falando, o triste fim-de-caso que lhe havia acabado de acontecer.

As crônicas de Joaquim Ferreira dos Santos também podem ser ouvidas no canal de podcasts Rádio Batuta. Baixe o app na loja de sua preferência (como App Store e Google Play).

Texto e locução: Joaquim Ferreira dos Santos

Edição e sonorização: Filipe Di Castro