Em sua coluna semanal na Rádio USP, “Espaço em obra”, Guilherme Wisnik lê trechos que apresentou em evento literário cujo tema era o fim do mundo. Para representar a impunidade no Brasil, ele extraiu fragmentos da carta de Pero Vaz de Caminha; de Os sertões, de Euclides da Cunha; e do diálogo entre os políticos Romero Jucá e Sérgio Machado sobre como estancar a Lava-Jato.