O Brasil tem uma escola popular de piano desenvolvida pelos “pianeiros”. A palavra nasceu com conotação pejorativa, pois pianista respeitado era o intérprete de peças clássicas. Mas a linha aberta por Ernesto Nazareth se mostrou fundamental para a música brasileira. É um piano muito rítmico, com mais volume do que delicadeza, e cheio de balanço.

O Casa do Choro (parceria da Batuta com a Casa do Choro, do Rio de Janeiro) conta uma breve história dessa escola, recordando nomes como Carolina Cardoso de Menezes, Tia Amélia e Nonô e destacando artistas contemporâneos como Hercules Gomes, Maria Teresa Madeira e Fernando Leitzke.

Repertório

Odeon (Ernesto Nazareth) – Hercules Gomes

Reboliço (Ernesto Nazareth) – Maria Teresa Madeira

Rapadura (Carolina Cardoso de Menezes) – Carolina Cardoso de Menezes

Seja breve (Noel Rosa) – João Petra de Barros, Luiz Barbosa e Custódio Mesquita (piano)

Pierrot (Marcelo Tupinambá) – Alexandre Dias

Recife (Tia Amélia) – Tia Amélia

Jaboatão (Tia Amélia) – Tia Amélia

Gostosinho (Bené Nunes) – Bené Nunes

Descendo o morro (Antonio Carlos Jobim e Billy Blanco) – Fernando Leitzke (piano) e conjunto

Mundo melhor (Pixinguinha e Vinicius de Moraes) – Fernando Leitzke (piano) e conjunto

Uma farra em Campo Grande (Nonô) – Nonô

Zanzando em Copacabana (Radamés Gnattali) – Hercules Gomes

Duda no frevo (Senô) – Hercules Gomes

 

Casa do Choro tem edições mensais, entrando no site da Batuta às 22h da segunda segunda-feira do mês, mesmo horário em que vai ao ar na Rádio MEC FM do Rio de Janeiro (99.3 MHz).

Apresentação: Pedro Paulo Malta

Comentário: Alexandre Dias

Roteiro: Pedro Paulo Malta e Paulo Aragão

Edição: Alexandre Hang