Para a música brasileira, ele foi um mestre. Para o mundo do samba, “um poema de ternura e paz”.  Para os fãs, um gênio. Mas ele era mesmo um batuta, um batuta tão importante que o Instituto Moreira Salles resolveu homenageá-lo ao batizar a sua rádio de Rádio Batuta. Ele era Alfredo da Rocha Vianna, mais conhecido como Pixinguinha.

Bloco 1
Ingênuo (Pixinguinha e Benedito Lacerda) – Pixinguinha e Benedito Lacerda
Urubu (Pixinguinha) – Oito Batutas
Samba de nego (Pixinguinha) – Francisco Alves

Bloco 2
Yaô (Pixinguinha e Gastão Viana) – Pixinguinha
Benguelê (Pixinguinha e Gastão Viana) – Anjos do inferno

Bloco 3
Já te digo (Pixinguinha e Otávio Viana, o China) – Oito Batutas
Samba de fato (Pixinguinha e Cícero de Almeida) – Patrício Teixeira
Gavião calçudo (Pixinguinha) – Almirante e Velha Guarda

Bloco 4
Que querê (Pixinguinha)  – Francisco Sena, Zaíra de Oliveira e Grupo da Guarda Velha
Cochichando (Pixinguinha) – Jacob do Bandolim
1 x 0 (Pixinguinha e Benedito Lacerda)  – Garoto

Bloco 5
Lamento (Pixinguinha e Vinícius de Moraes) – Orquestra Típica Donga-Pixinguinha
Sofres porque queres (Pixinguinha e Benedito Lacerda)  – Isaura Garcia
Rosa (Pixinguinha) – Orlando Silva

Bloco 6
Carinhoso (Pixinguinha e João de Barro) – Orlando Silva

 

 

Pesquisa, programação e texto: Carla Paes Leme
Locução: Cláudia Diniz
Sonorização: Filipe de Castro
Edição: Carla Paes Leme e Filipe Di Castro
Supervisão: Francisco Bosco