Com obras frequentemente relegadas a segundo plano, consequência de sociedades que persistem patriarcais, as mulheres compositores produziram peças de altíssima qualidade nos últimos séculos. Arthur Dapieve reuniu algumas delas, desde um noturno de Chiquinha Gonzaga até uma ária de ópera de Jocy de Oliveira. Além das brasileiras, há nomes como Clara Schumann e Alma Mahler (foto), cujas composições conseguiram não ser completamente sufocadas pelas de seus célebres maridos.

Repertório

Chiquinha Gonzaga: Meditação – por Clara Sverner – 2:47

Hildegarde de Bingen: O aeterne deus – por Sequentia – 2:12

Sofia Gubaidulina: Chacona – por Anna Vinnitskaya – 9:17

Alma Mahler: Hino – por Ruth Ziezak (voz) e Cord Garben (piano) – 5:53

Clara Schumann: Variações sobre um tema de Robert Schumann – por Yoshiko Iwai – 11:16

Kaija Saariaho: D’om le vrai sens. I. L’ouïe – por Kari Kriikku (clarinete) e orquestra sinfônica da rádio finlandesa, regida por Sakari Oramo – 7:00

Maddalena Casulana: Morir non può il mio cuore – por Hilliard Ensemble – 1:51

Jocy de Oliveira: Balada de Medeia (trecho) – por Gabriela Geluda (voz) e Ensemble Jocy de Oliveira – 8:00

 

Apresentação: Arthur Dapieve

Edição e sonorização: Filipe Di Castro