Sambas-enredo de protesto (contra a corrupção, os governantes, o racismo) estão entre os destaques da safra 2018 do carnaval carioca. Mangueira, Beija-Flor e Paraíso do Tuiuti optaram por esse caminho. É uma opção que não costuma resultar em títulos, mas pode dar belas músicas, como é o caso de Heróis da liberdade (1969). Protesto com título aconteceu em 1982, quando o Império Serrano venceu cantando Bum bum paticumbum prugurundum.

Repertório

Heróis da liberdade (Silas de Oliveira, Mano Décio da Viola e Manoel Ferreira) – Wander Pires

Meu Deus, meu Deus, está extinta a escravidão? (Claudio Russo, Moacyr Luz, Dona Zezé, Jurandir, Aníbal) – Nino do Milênio, Celsinho Mody e Grazzi Brasil

Com dinheiro ou sem dinheiro… eu brinco! (Lequinho, Júnior Fionda, Alemão do Cavaco, Gabriel Machado, Wagner Santos, Gabriel Martins e Igor Leal) – Ciganerey e Péricles

Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu (Di Menor BF, Kirazinho, Diogo Rosa, Julio Assis, Bakaninha, Diego Oliveira, JJ Santos, Manolo, Rafael Prates) – Neguinho da Beija-Flor

Bum bum paticumbum prugurundum (Aluisio Machado e Beto Sem Braço) – Quinzinho

Onde o Brasil aprendeu a liberdade (Martinho da Vila) – Martinho da Vila

 

Roteiro: Joaquim Ferreira dos Santos

Apresentação: Luiz Fernando Vianna

Edição: Filipe Di Castro