Muito antes de o jogador Daniel Alves recolher a banana que a torcida adversária jogara, já na década de 1930 os compositores João de Barro (Braguinha) e Alberto Ribeiro se orgulhavam da vitamina dela na marchinha Yes, nós temos bananas. A banana tem sido musa consagrada na história da música brasileira e símbolo maior de um de seus movimentos mais importantes, a Tropicália. Joaquim Ferreira dos Santos fez uma seleção de dez músicas em que ela aparece. Do forró de Jackson do Pandeiro ao pop do Ultraje a Rigor, a banana no Brasil sempre foi cantada como símbolo de prazer, exuberância e poder. A seleção de músicas serve como pano de fundo ao movimento internacional, espalhado desde domingo após o jogo pelas redes sociais, onde famosos e anônimos fazem selfies dando uma banana ao preconceito. A nossa banana vai em forma de música.

Músicas

Yes, nós temos bananas (João de Barro e Alberto Ribeiro) – Caetano Veloso

Chiclete com banana (Gordurinha e Almira Castilho) – Jackson do Pandeiro

Bananeira (João Donato e Gilberto Gil) – Bebel Gilberto

Vendedor de bananas (Jorge Ben Jor) – Jorge Ben Jor

Tem nego bebo aí (Mirabeu e Airton Amorim) – Carmen Costa

Geleia geral (Gilberto Gil e Torquato Neto) – Gilberto Gil

O orvalho vem caindo (Noel Rosa e Kid Pepe) – Pedro Miranda

Chiquita Bacana (João de Barro e Alberto Ribeiro) – Anitta

Filha da Chiquita Bacana (Caetano Veloso) – Caetano Veloso

Mim quer tocar (Roger Moreira) – Ultraje a Rigor

 

Seleção: Joaquim Ferreira dos Santos

Edição e sonorização: Filipe Di Castro