O documentário Cauby – Começaria tudo outra vez, de Nelson Hoineff, que estava em cartaz nos cinemas em 2015, tratava dos grandes sucessos do cantor. Há, a propósito, uma série bem diversificada de interpretações de Conceição. Esta playlist da Rádio Batuta, organizada por Joaquim Ferreira dos Santos, também focaliza algumas canções menos conhecidas do grande intérprete.

Cauby Peixoto foi um dos maiores ídolos da era de ouro do rádio, tendo pertencido ao grande cast da Rádio Nacional. Quando chegava à emissora, algumas fãs desmaiavam, outras rasgavam seus ternos, numa operação já combinada com o empresário do cantor, Di Veras, e documentada pelos fotógrafos da Radiolândia e da Revista do Rádio. Os primeiros grandes sucessos de Cauby foram Blue gardenia, em 1954, e Conceição, em 1956. Di Veras levou seu contratado para tentar a sorte no mercado dos Estados Unidos, onde atuou por pouco mais de um ano com o nome de Ron Coby. De volta ao Brasil, Cauby recomeçou uma carreira que deixou mais de mil canções gravadas.

Seu repertório sempre foi eclético e, entre sambas e boleros, cabe o menos conhecido Rock’n’roll em Copacabana, de 1957, tido como o primeiro rock composto no Brasil, de autoria de Miguel Gustavo. Não entrou no bom filme de Nelson Hoineff, mas é uma das atrações da seleção da Batuta.

Repertório

Rock’n’roll em Copacabana (Miguel Gustavo)

Conceição (Dunga/Jair Amorim)

A noiva (Antonio Prieto/Fred Jorge)

Blue gardenia (Bob Russel, Lester Lee e Antônio Carlos)

Contigo aprendi (Armando Manzanero) e Recuerdo de Ypacaraí (Zuleima de Mirkin/Demétrio Ortiz) – Com Angela Maria

Ninguém é de ninguém (Toso Gomes/Umberto Silva/Luiz Mergulhão)

A pérola e o rubi (Jay Livingston/Ray Evans, versão de Haroldo Barbosa)

Bastidores (Chico Buarque)

New York, New York (John Kander e Fred Ebb)

Força estranha e Cauby! Cauby! (Caetano Veloso)

 

Seleção: Joaquim Ferreira dos Santos

Edição e sonorização: Filipe Di Castro