A mulher na música brasileira

Dircinha e Linda Batista

As irmãs Batista

Linda e Dircinha Batista brilharam entre os anos 1930 e 1950, mas sucumbiram às mudanças na música brasileira e aos seus próprios problemas psiquiátricos. O programa recorda a história das duas cantoras.

20.05.2018

Maria Bethânia e Dona Canô

Maria e outras Marias

Maria, mãe de Jesus, é louvada em composições populares e inspira outras dedicadas a Marias. Neste programa da série “A mulher na música brasileira”, duas canções são com Maria Bethânia: Mãe Maria e Mãe de Deus das Candeias.

13.05.2018

Detalhe de foto de Marcel Gautherot/Acervo IMS

Baianas

Reais ou estereotipadas, legítimas ou falsas, as baianas são personagens de muitas composições. O programa reúne alguns exemplos na série “A mulher na música brasileira”.

29.04.2018

Elza Soares

Louras, morenas e mulatas

Feitas para divertir, as canções sobre louras, morenas ou mulatas têm trechos que podem ser avaliados hoje como machistas ou racistas. O programa apresenta exemplos, dois deles na voz de Elza Soares.

15.04.2018

Aracy de Almeida

Aracy de Almeida

Sem ter voz cristalina, Aracy de Almeida se impôs no meio musical das décadas de 1930 e 1940, dominado pelos homens, por causa de seu grande talento. Era chamada de “A melhor intérprete de Noel Rosa”. Terminou estigmatizada como jurada de programa de calouros.

08.04.2018

Carmen Miranda

Carmen Miranda

Carmen Miranda é uma das estrelas da série “A mulher na música brasileira”. Morta em 1955, com apenas 46 anos, ainda é a figura feminina mais representativa do Brasil no exterior, seja como artista talentosa, seja como ícone estereotipado. O programa recorda sua trajetória.

01.04.2018

Aracy Cortes

Aracy Cortes

Estrela do teatro de revista, mulher avançada para a década de 1920, Aracy Cortes lançou Jura, de Sinhô, gravou o primeiro samba-canção a fazer sucesso (Ai, Ioiô), foi a primeira a gravar Assis Valente e, nos anos 1960, ressurgiu no espetáculo Rosa de Ouro.

25.03.2018

Tia Ciata e as matriarcas baianas

Tia Ciata e as matriarcas baianas

Tia Ciata foi a mais célebre das baianas que se firmaram como lideranças na região do Rio de Janeiro que ficou conhecida como Pequena África. Na casa dela nasceu Pelo telefone, e naquele ambiente cresceram Pixinguinha, Donga e João da Baiana.

11.03.2018