Joaquim Ferreira dos Santos

Jackson do Pandeiro

A carne é fraca, mas dá música

A carne também foi problema em 1959, quando o sucesso da marchinha Boi da cara preta, com Jackson do Pandeiro, fez parte da população entrar na brincadeira preconceituosa e acreditar que comer alimento resultava em perda da masculinidade para os homens. Joaquim Ferreira dos Santos ressalta que a canção integra uma corrente gastronômica da música brasileira.

24.03.2017

Precisamos falar de Rubens Bassini

Rubens Bassini é um daqueles nomes que apareciam em letras pequenas nas contracapas de discos. Mas é preciso falar desse percussionista carioca que imprimiu sua marca no sambalanço e morreu com apenas 48 anos.

10.03.2017

Malandragem, dá um tempo: 90 anos de Bezerra da Silva

Bezerra da Silva já era adulto quando determinou que nascera num 23 de fevereiro. Sendo assim, teria completado 90 anos. Foi um Bob Dylan dos pobres, diz Joaquim Ferreira dos Santos. Um cronista de morros que não ficavam pertinho do céu, mas do inferno.

24.02.2017

No tempo de Blecaute, Cinco Crioulos e Bola Sete

Músicos já adotaram nomes hoje consideradas racistas, como Blecaute (foto), Gasolina, Bola Sete e Cinco Crioulos. Joaquim Ferreira dos Santos especula em sua crônica o que pode acontecer com esses artistas em tempos de revisão histórica.

10.02.2017

Fagner mandou me avisar: “vou te encher de porrada”

Joaquim Ferreira dos Santos quase apanhou de Fagner nos anos 1980, daí o título de sua nova crônica. Hoje seria difícil tamanha raiva, porque “o elogio babão corre solto” na imprensa. Ninguém fala mal de ninguém, nem mesmo de Caetano Veloso endeusando MC Beijinho.

27.01.2017

Alegria na São Clemente em 2016. Foto de Alexandre Durão/G1

O samba de enredo é uma festa

O CD dos sambas de enredo virou uma trilha de festa, diz Joaquim Ferreira dos Santos. Para ele, com exceção dos críticos, ajoelhados ao vento das velas nostálgicas, a impressão de quem brinca no sambódromo é que as músicas são perfeitas para embalar um carnaval cada vez mais divertido.

13.01.2017

O rock de Nora Ney

A doce Nora Ney, a voz dos amores fracassados, a que transformou “Ninguém me ama” em sucesso nacional, também lançou o rock por aqui com “Rock around the clock”. Anos depois, como conta Joaquim Ferreira dos Santos, gravou um mea culpa musical e foi ser romântica e politizada para sempre.

30.12.2016

David Drew Zingg / Acervo IMS

O centenário do poder transformador

O narrador da nova crônica de Joaquim Ferreira dos Santos na Rádio Batuta é o samba. Ele passeia, lírico e onírico, por seus cem anos de existência, da casa da Tia Ciata até os malandros do século XXI, sempre ciente de seu poder transformador.

16.12.2016