Wilson Batista

Mulheres: machismo nacional e musical

O infeliz discurso de Michel Temer no Dia Internacional da Mulher encontra eco na tradição da música brasileira, na qual não faltam canções machistas: de “Ai, que saudades da Amélia” a exemplos recentes.

12.03.2017

Sambas à venda

Francisco Alves (foto) comprava sambas, Noel Rosa vendia, Moreira da Silva comprava, Wilson Baptista vendia… Muitas músicas foram negociadas até meados do século XX, e tem pouco valor fazer julgamentos morais hoje. Mas vale conhecer essa história de fome e fama, dinheiro e falta dele.

11.07.2016

Madame Satã, possível inspiração de "Mulato bamba"

Sambas para frente

O samba tocou em temas, nas décadas de 1930 e 1940, que a sociedade evitava discutir. Noel Rosa, por exemplo, falou de homossexualidade em “Mulato bamba”, talvez inspirado em Madame Satã (foto). E Wilson Baptista defendeu em “Lealdade” que o amor deve ser infinito enquanto dure, livre de obrigações sociais.

04.07.2016

Machismo no samba

As mulheres apanhavam muito nos sambas da primeira metade do século XX. Boas só as Amélias e Emílias. As letras incomodam hoje, mas as ótimas melodias sobreviveram. Nas últimas décadas, o machismo diminuiu muito no samba, mas não desapareceu.

27.06.2016

Malandro é malandro, sambista é sambista

Boêmios e andando no limite da marginalidade, os malandros protagonizaram as letras de samba na virada dos anos 1920 para os 1930. Estiveram no centro da polêmica Noel Rosa x Wilson Baptista. E, como prova Bezerra da Silva, nunca saíram de cartaz.

06.06.2016

Wilson Batista

Muito mais do que o suposto vilão da polêmica com Noel Rosa, Wilson Batista é um dos maiores compositores brasileiros, autor de sambas magistrais, como os que se ouvem neste programa. Seu biógrafo, Rodrigo Alzuguir, é entrevistado por Francisco Bosco e comenta músicas e momentos de Wilson.

27.06.2013