Ao lado do jovem Toquinho, Vinicius de Moraes se descobriu um showman, fazendo turnês, cantando suas músicas, contando histórias no palco, lembra João Máximo neste episódio. Foram dez anos intensos, iniciados na Argentina, com um show (e disco ao vivo) em que a dupla era acompanhada de Maria Creuza. Depois, vieram outras cantoras para compor a trinca "poeta, moça e violão", como Maria Bethânia e Marília Medalha. Toquinho e Vinicius fizeram muito sucesso graças a Como dizia o poeta, Tarde em Itapoã, Cotidiano nº 2. e muitas outras composições. Tanto sucesso custou ataques por parte da crítica, sobretudo a acadêmica. "Confudiram nosso trabalho com música fácil", diz Toquinho no programa, assumindo que o objetivo deles era mesmo conquistar popularidade com simplicidade. De todas as parcerias, a mais criticada foi A tonga da mironga do kabuletê.

Este documentário vai ao ar numa parceria da Rádio Batuta com a Rádio Cultura Brasil (www.culturabrasil.com.br) e a VM Cultural (www.viniciusdemoraes.com.br), que representa a família de Vinicius.