A história já foi contada, especialmente por João Máximo e Carlos Didier em Noel Rosa – Uma biografia, mas é bonita e importante demais para não ser repetida: Vadico tocava uma melodia ao piano da Casa Edison, quando Eduardo Souto, diretor artístico da companhia, chamou Noel, que estava na sala ao lado, para escutar. Dali nasceu Feitio de oração, ali nasceu uma das mais felizes e certeiras parcerias da música brasileira, autora de dez ótimos sambas entre 1933 e 1937. Neste primeiro capítulo da série, João Máximo ilumina essas músicas com informações e comentários, inclusive críticos quanto ao andamento escolhido (à revelia de Vadico) para as gravações de parte delas. E aponta o absurdo de parceiro tão talentoso ser apenas recordado à sombra de Noel, ou nem mesmo isso. Também conta como foi a fase inicial da trajetória do compositor e músico, ainda na São Paulo natal, depois nas noites cariocas.

Repertório

Feitio de oração (Vadico e Noel Rosa) – Sebastião Tapajós

Seja o que Deus quiser (Vadico e Mário Moraes) – Nuno Roland

Isso é mesmo o que eu quero (Vadico) – Genésio Arruda

Arranjei outra (Vadico e Dan Malio Carneiro) – Francisco Alves

Silêncio (Vadico) – Luiz Barbosa e Vittorio Lattari

O despertar da montanha (Eduardo Souto) – Arthur Moreira Lima

Feitio de oração (Vadico e Noel Rosa) – Marco Pereira e Cristovão Bastos

Feitio de oração (Vadico e Noel Rosa) – Francisco Alves e Castro Barbosa

Feitiço da Vila (Vadico e Noel Rosa) – João Petra de Barros

Nathalia (Vadico) – Luiz Americano (sax) e Vadico (piano)

Só pode ser você (Vadico e Noel Rosa) – Aracy de Almeida

Conversa de botequim (Vadico e Noel Rosa) – Noel Rosa

Tarzan, o filho do alfaiate (Vadico e Noel Rosa) – Almirante

Cem mil-réis (Vadico e Noel Rosa) – Noel Rosa e Marília Baptista

Quantos beijos (Vadico e Noel Rosa) – Noel Rosa e Marília Baptista

Provei (Vadico e Noel Rosa) – Noel Rosa e Marília Baptista

Pra que mentir? (Vadico e Noel Rosa) – Marco Pereira e Cristovão Bastos

Pra que mentir? (Vadico e Noel Rosa) – Sílvio Caldas

 

Concepção, roteiro e apresentação: João Máximo

Edição e sonorização: Filipe Di Castro