A série também está no YouTube.

Grandes cantores continuaram gravando grandes canções, sobretudo sambas, e a música nacional chegou ao fim da década consagrada internamente e transformada em produto de exportação. Carmen Miranda partiu para brilhar nos Estados Unidos. Ary Barroso se firmou como o mais importante compositor do país. Além de exaltar bastante a Bahia, fez de sua Aquarela a peça mais elaborada de exaltação ao Brasil. Ele dizia não ser fã de Getúlio Vargas, mas sua obra grandiosa, que ganhou arranjo idem de Radamés Gnattali, serviu ao projeto ufanista do então ditador.

Mais músicas lançadas em discos em 78 rotações por minuto estão no site Discografia Brasileira, do Instituto Moreira Salles.

Repertório

Retiro da saudade (Noel Rosa e Nássara) – Carmen Miranda e Francisco Alves – 1934

Juramento falso (J. Cascata e Leonel Azevedo) – Orlando Silva – 1937

História de amor (J. Cascata e Humberto Porto) – Orlando Silva – 1938

Pra que mentir? (Noel Rosa e Vadico) – Sílvio Caldas – 1939

Camisa amarela (Ary Barroso) – Aracy de Almeida – 1939

Camisa listada (Assis Valente) – Carmen Miranda – 1938

Meu primeiro amor (Bide e Marçal) – Francisco Alves – 1938

Na Baixa do Sapateiro (Ary Barroso) – Carmen Miranda – 1938

Quando eu penso na Bahia (Ary Barroso e Luiz Peixoto) – Carmen Miranda e Sílvio Caldas – 1937

O que é que a baiana tem? (Dorival Caymmi) – Carmen Miranda e Dorival Caymmi – 1939

Adeus, batucada (Sinval Silva) – Carmen Miranda – 1935

Joujoux e balangandãs (Lamartine Babo) – Mario Reis e Mariah – 1939

Bahia (Benedito Lacerda e Aldo Cabral) – Francisco Alves e Dalva de Oliveira

Aquarela do Brasil (Ary Barroso) – Francisco Alves

 

Roteiro e apresentação: João Máximo

Edição: Filipe Di Castro