O malandro que acerta no milhar e vai anunciando seus planos mirabolantes, entre eles comprar um avião azul para percorrer a América do Sul, é apenas um dos muitos personagens da cena carioca que a MPB eternizou. Neste programa, o último da série em que lembrou os 450 anos do Rio, Joaquim Ferreira dos Santos trata dos sambas que registraram cenas responsáveis pela transformação da cidade num mito internacional. Tem o compositor endoidecido para dar conta do samba de vultos históricos sobre os quais jamais ouviu falar. Tem os heróis populares, como o Zé Marmita e o camelô, todos correndo atrás da sobrevivência. Autores como Miguel Gustavo e Billy Blanco desenvolveram letras que eram verdadeiras crônicas na maneira de descrever os personagens e as cenas em que se movimentavam. O despacho na esquina, uma cena quase desaparecida do cotidiano do Rio, está para sempre eternizada na descrição, e com a genialidade costumeira, por Geraldo Pereira. A série encerra-se, como só poderia ser, num dos grandes cenários da festa carioca: um baile de gafieira.

Músicas

Rio dos meus amores (Billy Blanco) – Wilson Simonal

Pisei num despacho (Geraldo Pereira e Elpídio Viana) – Ciro Monteiro

Café soçaite (Miguel Gustavo) – Jorge Veiga

Samba do crioulo doido (Sérgio Porto) – Quarteto em Cy

Jornal da morte (Miguel Gustavo) – Roberto Silva

Zé Marmita (Luiz Antônio e Brasinha) – Marlene

Camelô (Billy Blanco) – Dolores Duran

Acertei no milhar (Wilson Batista e Geraldo Pereira) – Moreira da Silva

Estatutos da gafieira (Billy Blanco) – Jorge Veiga

 

Roteiro e apresentação: Joaquim Ferreira dos Santos

Edição e sonorização: Filipe Di Castro