Desde a infância, Adriana Calcanhotto ficou marcada por Mario Quintana. Sua mãe o via nas ruas de Porto Alegre e dizia: “É o poeta”. Certa vez, Adriana o viu com uma meia de cada cor. Por isso, desenhou um menino com meias de cores diferentes na parte dedicada a Quintana na Antologia ilustrada da poesia brasileira, que ela selecionou e está lançando. A cantora e compositora leu poemas de seu conterrâneo na Casa do IMS, em conversa mediada por Alice Sant’Anna, editora assistente da revista serrote.