Para o cientista político Renato Lessa, É isto um homem? se tornou uma obra clássica por não ser um relato testemunhal do ano e meio que Primo Levi passou em campos de concentração, a maior parte do tempo em Auschwitz. O autor italiano refletiu sobre a destruição do que há de humano em alguém naquelas condições e apontou para o fato de que cada época tem o seu fascismo. O mundo de hoje não deixa dúvidas.