Em Oceânia, país fictício do romance 1984, todos são vigiados por uma entidade que não aparece, o Big Brother, representação do partido único que reprime qualquer forma de liberdade, inclusive o amor. O jornalista Sérgio Augusto ressalta que o livro do britânico George Orwell (1903-1950), lançado em 1949, não fazia alusão apenas à União Soviética, mas a Hitler, Mussolini e à “essência nefasta de qualquer forma de poder totalitário”. A atualidade da obra é clara, como indica sua permanência entre os best-sellers.