O ano de 1943 foi marcado, no Brasil, pelo Manifesto dos Mineiros, documento que reivindicava o restabelecimento dos direitos democráticos no Brasil. O manifesto da elite liberal de Minas Gerais defenda o fim da ditadura do Estado Novo e a redemocratização do país. Entre seus 92 signatários estavam líderes políticos mo Pedro Aleixo, Artur Bernardes, Afonso Arinos de Melo Franco, Afonso Pena Júnio, Adauto Lúcio Cardoso e José de Magalhães Pinto.

Bloco 1
Exaltação à Bahia
(Vicente Paiva e Chianca de Garcia) – Heleninha Costa
Que é, que é (Bororó e Evrágio Lopes) – Sílvio Caldas

Bloco 2
Terra seca (Ary Barroso) – Quatro Ases e Um Coringa
Transformação (Herivelto Martins) – Francisco Alves
Promessa (Custódio Mesquita e Evaldo Rui) – Sílvio Caldas

Bloco 3
Aperto de mão (Herondino Silva, Jaime Florence e Augusto Mesquita) – Isaura Garcia
Mãe Maria (Custódio Mesquita e David Nasser) – Nelson Gonçalves
Noutros tempos era eu (Ataulfo Alves) – Orlando Silva

Bloco 4
Beija-me (Roberto Martins e Mário Rossi) – Cyro Monteiro
Lealdade (Wilson Batista e Jorge de Castro) – Orlando Silva
Cinco horas da manhã (Ary Barroso) – Anjos do Inferno

Bloco 5
Laurindo (Herivelto Martins) – Trio de Ouro
Adolfito Mata-Mouros (João de Barro e Alberto Ribeiro) – Orlando Silva
China Pau (Alberto Ribeiro e João de Barro) – Castro Barbosa

Bloco 6
A dama de vermelho (Alcir Pires Vermelho e Pedro Caetano) – Francisco Alves
Marilena (Geraldo Mendonça) – Francisco Alves com acompanhamento de Lírio Panicalli e Orquestra Odeon
Não troquemos de mal (Rubens Leal Brito e Jorge Faraj) – Newton Teixeira
Noite de lua (Antônio Almeida) – Nelson Gonçalves

Bloco 7
Pra machucar meu coração (Ary Barroso) – Déo

 
Baseado no livro “A canção no tempo”, de Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello
Adaptação, pesquisa e texto: Carla Paes Leme
Locução: Cláudia Diniz
Sonorização: Filipe Di Castro
Edição: Carla Paes Leme e Filipe Di Castro
Supervisão: Francisco Bosco

Conteúdo relacionado