O ano de 1956 foi marcado pela posse de Juscelino Kubitschek na presidência da república no dia 31 de janeiro. Já em setembro, o Congresso sancionava a lei que criava a nova capital federal, Brasília, que viria a ser construída no Planalto Central.

Bloco 1
Conceição (Dunga e Jair Amorim) – Cauby Peixoto
Mentindo (Eduardo Patané e Lourival Faissal) – Ângela Maria
Para que recordar (Fernando César e Carlos César) – Alcides Gerardi
Prece (Vadico e Marino Pinto) – Helena de Lima
Bloco 2
Exaltação à Mangueira (Enéas Brites da Silva e Aloísio Augusto da Costa) – Jamelão
Fala, Mangueira (Mirabeau e Milton de Oliveira) – Ângela Maria
Vai que depois eu vou (Zé da Zilda, Zilda do Zé, Adolfo Macedo e Airton Borges) – Zilda do Zé
Turma do funil (Mirabeau, Milton de Oliveira e Urgel de Castro) – Vocalistas Tropicais
Quem sabe, sabe (Carvalhinho e Joel de Almeida) – Joel de Almeida
Bloco 3
Foi a noite (Antônio Carlos Jobim e Newton Mendonça) – Sílvia Teles
Tudo foi ilusão (Laert Santos e Arcilino Tavares) – Orlando Silva
Siga (Fernando Lobo e Hélio Guimarães) – Neusa Maria
Só louco (Dorival Caymmi) – Dorival Caymmi
Neste mesmo lugar (Klecius Caldas e Armando Cavalcanti) – Dalva de Oliveira
Bloco 4
Maracangalha (Dorival Caymmi) – Dorival Caymmi
O canto da ema (Alventino Cavalcanti, Aires Viana e João do Vale) – Jackson do Pandeiro
O ‘chero’ de Carolina (Amorim Roxo e Zé Gonzaga) – Luiz Gonzaga
Bloco 5
Rapaz de bem (Johnny Alf) – Johnny Alf (samba)Molambo (Jaime Florence e Augusto Mesquita) – Cauby Peixoto
Dolores Sierra (Wilson Batista e Jorge de Castro) – Nelson Gonçalves
Meu vício é você (Adelino Moreira) – Nelson Gonçalves
Bloco 6
Mulata assanhada (Ataulfo Alves) – Ataulfo Alves
Meus tempos de criança (Ataulfo Alves) – Ataulfo Alves
Iracema (Adoniran Barbosa) – Demônios da Garoa
Bloco 7
A voz do morro (Zé Kéti) – Jorge Goulart

 

Baseado no livro “A canção no tempo”, de Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello
Pesquisa, adaptação e texto: Carla Paes Leme
Locução: Cláudia Diniz
Edição e Sonorização: Filipe Di Castro