Alcir Pires Vermelho chegou mais cedo à casa de Lamartine Babo, que ainda estava jantando. Enquanto esperava, Alcir viu no piano os versos de Alma dos violinos, que o parceiro escrevera. Musicou ali mesmo a letra, fazendo com rapidez uma belíssima valsa.

 

Edição e sonorização: Filipe Di Castro