Os pioneiros do samba eram negros, comprovando a nítida origem africana do gênero. Mas talentosos brancos de classe média também brilharam nas primeiras décadas dessa história centenária. São os casos, por exemplo, do estudante de medicina Noel Rosa, dos bacharéis em direito Ary Barroso, Mario Reis e Mário Lago e, ainda, do filho de família rica Custódio Mesquita (foto). Este, incomodado por não ter “anel de doutor”, compôs em 1933 “Doutor em samba”, gravado, apropriadamente, por Mario Reis.

Repertório

Coração (Noel Rosa) – Noel Rosa

E o samba continua… (Ary Barroso e Lamartine Babo) – Almirante

Sambista da Cinelândia (Custódio Mesquita e Mário Lago) – Carmen Miranda

Doutor em samba (Custódio Mesquita) – Mario Reis

 

20Apresentação: Luiz Fernando Vianna (com Petria Chaves, da CBN)

Roteiro: Luiz Fernando Vianna

Edição e sonorização: Filipe Di Castro