Na história da música brasileira em 78 rotações, 28 de maio de 1937 é uma data especial. Nesse dia, Orlando Silva pôs voz em duas canções que se tornariam clássicas: “Carinhoso” e “Rosa”.  O pesquisador José Silas Xavier, que conhece tudo sobre Pixinguinha, conta a Pedro Paulo Malta as trajetórias das melodias até que ganhassem letras. A de “Carinhoso” é de João de Barro, o Braguinha, que a escreveu às pressas para atender ao pedido de uma atriz. A de “Rosa” envolve um mistério que Pixinguinha nunca esclareceu.

Esse disco está entre os mais de 46 mil, todos em 78 rpm, que compõem o acervo do site Discografia Brasileira, do IMS.

Conheça a série Pixinguinha na Pauta.

 

Roteiro e apresentação: Pedro Paulo Malta

Edição: Luiza Silvestrini

Sonorização: Claudio Antonio

Gravação: Filipe Di Castro

Supervisão: Luiz Fernando Vianna

Identidade visual: Kiko Farkas

Distribuição: Mario Tavares

 

Outros episódios:

Episódio 1 – O tesouro de Chiquinha Gonzaga

Episódio 2 – Francisco Alves no meio da história do samba

Episódio 3 – A linda morena de Lamartine

Episódio 4 – O Bando da Lua e outras vozes

Episódio 6 – Aracy de Almeida canta o miserê e a orgia

Episódio 7 – O mar e o violão de Dorival Caymmi

Episódio 8 – ‘Asa branca’ nasceu antes de Luiz Gonzaga criá-la

Episódio 9 – Jacob do Bandolim ilumina Ernesto Nazareth

Episódio 10 – ‘Chega de saudade’, a glória final dos 78 rpm