Em sua coluna “Espaço em obra”, da Rádio USP, Guilherme Wisnik comenta a exposição Todo poder ao povo, em cartaz no Sesc Pinheiros, em São Paulo. São trabalhos de Emory Douglas, responsável por muito da identidade visual do movimento Panteras Negras, que combateu o racismo e a exclusão social nos EUA dos anos 1960 e 1970. O professor da USP relaciona a mostra com um documentário recentemente exibido no Brasil: Eu não sou seu negro, baseado no livro em que o escritor James Baldwin fala de suas relações com os principais líderes negros americanos. Segundo Wisnik, exposição e filme têm especial relevância no Brasil de hoje e provocam incômodo e reflexão.