O codinome americanizado simboliza a influência que o jazz e toda a música dos Estados Unidos exerceram sobre Johnny Alf (1929-2010), nascido Alfredo José da Silva. Ele antecipou características da bossa nova e se consagrou como um pianista e compositor sofisticado e original. Entre suas criações estão Eu e a brisa e Ilusão à toa, gravadas por muitos intérpretes.

Músicas

Rapaz de bem (Johnny Alf) – Johnny Alf

O que é amar (Johnny Alf) – Leny Andrade

Ilusão à toa (Johnny Alf) – Gal Costa

Seu Chopin, desculpe (Johnny Alf) – Johnny Alf e Chico Buarque

Eu e a brisa (Johnny Alf) – João Gilberto

Olhos negros (Johnny Alf/Ronaldo Bastos) – Nana Caymmi e Emílio Santiago

 

Apresentação: Luiz Fernando Vianna (com Débora Freitas, da CBN)

Roteiro: Joaquim Ferreira dos Santos

Edição e sonorização: Filipe Di Castro