Homens dedicados à vida boêmia e a expedientes fora-da-lei, os malandros estão presentes na música brasileira desde o século XIX, e sempre tratados com ambivalência: ora exaltados, ora condenados. No samba, foram protagonistas na virada dos anos 1920 para os 1930. Parte dos compositores era malandro de fato ou convivia com os verdadeiros. Este programa relembra algumas músicas e histórias marcantes, como a polêmica Noel Rosa x Wilson Baptista. E mostra que os malandros nunca saíram de cartaz, como prova Bezerra da Silva.

Repertório

O que será de mim? (Ismael Silva, Nilton Bastos e Francisco Alves) – Francisco Alves e Mario Reis

Vadiagem (Francisco Alves) – Mario Reis

Lenço no pescoço (Wilson Baptista) – Sílvio Caldas

Feitiço da Vila (Noel Rosa e Vadico) – Martinho da Vila

Malandro é malandro, mané é mané (Neguinho da Beija-Flor) – Bezerra da Silva

Homenagem ao malandro (Chico Buarque) – Chico Buarque

 

Apresentação: Luiz Fernando Vianna (com Petria Chaves, da CBN)

Roteiro: Luiz Fernando Vianna

Edição e sonorização: Filipe Di Castro