As valsas tiveram seu ápice no século XIX, mas continuam sendo compostas e encantando quem as ouve. Arthur Dapieve começa seu programa dedicado a elas com o infalível Danúbio azul, de Strauss. Mas mostra que há muito mais, reunindo outros belos exemplos, inclusive de três compositores brasileiros.

Repertório

Strauss II: An der schönen blauen Donau – Orquestra Filarmônica de Viena, regida por Willi Boskovsky – 9:23

Schubert: Deutscher tanz (5:20); Zwei Ländler (2:06) – Christoph Eschenbach e Justus Frantz

Chopin: Valsa nº 7, em dó sustenido menor, opus 64, nº 2 – Dinu Lipatti – 3:04

Nazareth: Coração que sente – Arthur Moreira Lima – 5:35

Villa-Lobos: Valsa da dor – Sonia Rubinsky – 5:05

Mignone: Valsa choro nº 1, em si menor – Maria Josephina Mignone – 2:35

Tchaikovsky: Sinfonia nº 5. III. Valse – Osesp, sob a regência de John Neschling – 5:43

Ravel: La valse – Orquestra Sinfônica de Montreal, regida por Charles Dutoit – 12:10

 

Apresentação: Arthur Dapieve

Edição e sonorização: Filipe Di Castro