“Cada um chama de barbárie o que não é seu costume”: Paulo Roberto Pires abre o dia final da Oficina Literária Flip/serrote analisando o ensaio “Sobre os canibais”, de Montaigne, que tem como ponto de partida seu encontro com índios tupinambá levados do Brasil até a França no século XVI. Na conclusão, fala sobre os riscos do ensaio: o pedantismo, o jargão, a trivialização e o opinionismo.