Custódio Mesquita foi o "Tom Jobim de seu tempo", diz João Máximo no programa, endossando uma imagem consagrada na música brasileira. Saia do caminho é uma de suas principais composições, feita ao lado de seu parceiro mais constante, Evaldo Rui. Em vez da linguagem mais elaborada de outros letristas que escreviam para Custódio, como Mário Lago e Sadi Cabral, Evaldo gostava da voz das ruas, de usar palavras mais cruas. É o caso dos "trapinhos" do início de Saia do caminho, lançada para o sucesso por Aracy de Almeida.

Edição e sonorização: Filipe Di Castro