Nem só de sambas-enredo vive a história das escolas de samba do Rio de Janeiro. As músicas feitas ao longo do ano no chão de terra das escolas eram chamados de sambas de terreiro. Nos primeiros desfiles, eram estes que iam para a disputa. Mais tarde, os sambas dos desfiles passaram a ser concebidos para apresentar um tema. Mesmo assim, os sambas de terreiro, também chamados sambas de meio de ano, continuaram sendo feitos e seus compositores precisavam se firmar lá, sob avaliação de seus pares. O chão de terra foi cimentado e os sambas de terreiro viraram de quadra, mas mantiveram suas características: letras curtas, falando de amor, boemia e/ou exaltando a própria escola.

Às vésperas do Carnaval 2013, o Instituto Moreira Salles reuniu ilustres defensores dessa tradição para apresentar alguns deses sambas de quadra de três das mais tradicionais agremiações cariocas: Mangueira, Império Serrano e Portela; representadas por Tantinho da Mangueira, Zé Luiz do Império e Monarco.

Bloco 1 – Tantinho da Mangueira
Cavaco emprestado (Padeirinho)
A mais querida (Padeirinho)
Minha companheira (Jurandir / Irson Pinto)
Vem rompendo o dia (Tantinho / Xangô da Mangueira)
Sempre Mangueira (Nelson Cavaquinho / Geraldo Queiroz)

Bloco 2 – Zé Luiz do Império
O Império tocou reunir (Dona Ivone Lara / Mestre Fuleiro)
Menino de 47 (Nilton Campolino / Molequinho)
Amor aventureiro (Silas de Oliveira / Mano Décio da Viola)
Obsessão (Mano Décio da Viola / Osório Lima)
Malandros maneiros (Zé Luiz / Nei Lopes)

Bloco 3 – Monarco
O passado da Portela (Monarco)
O ideal é competir (Casquinha / Candeia)
De Paulo a Paulinho (Monarco / Chico Santana)
Vivo isolado do mundo (Alcides Malandro Histórico)
Cidade Mulher (Paulo da Portela)

Bloco 4 – Tantinho da Mangueira, Zé Luiz do Império e Monarco
Aquarela brasileira (Silas de Oliveira)
A voz do morro (Zé Kéti) *

* Participação especial de Nelson Sargento.

 

 

Direção musical do show, arranjos e violão: Paulão 7 Cordas
Cavaquinho: Alessandro Cardoso
Percussão: Paulino Dias e Rodrigo Jesus

Apresentação: Luiz Fernando Vianna
Edição do show para a rádio: Filipe Di Castro