Devani Ferreira, o Tantinho, começou a desfilar na Mangueira aos 5 anos, debaixo da fantasia de baiana da mãe. Aos 73, é baluarte da escola e principal nome da Velha Guarda Musical da Mangueira. O conjunto está lançando CD em homenagem a Geraldo Pereira. O centenário do autor de Falsa baiana se completou em 2018, quando a Batuta realizou um documentário sobre ele. Neste programa, Tantinho, vencedor duas vezes do Prêmio da Música Brasileira, fala da sua paixão pela verde-e-rosa: “Antes de eu ter filhos, a Mangueira era a coisa mais importante da minha vida”. Mas tanta paixão também traz preocupações: “A Mangueira me ajudou a preservar, mas também a me envelhecer”. Ele interpreta quatro sambas no estúdio da Batuta. E revela que o samba-enredo que fez para o carnaval de 2019 (e que foi derrotado na escola) será gravado por Maria Bethânia.

Repertório

Falsa baiana (Geraldo Pereira) – Maria Bethânia e Tantinho

Escurinha (Geraldo Pereira e Arnaldo Passos) – Tantinho, Guilherme Sá (cavaquinho) e Aluísio Pinto (pandeiro) no estúdio da Batuta

Que samba bom (Geraldo Pereira e Arnaldo Passos) – Tantinho, Guilherme Sá (cavaquinho) e Aluísio Pinto (pandeiro) no estúdio da Batuta

Ministério da Economia (Geraldo Pereira e Arnaldo Passos) – Tantinho, Guilherme Sá (cavaquinho) e Aluísio Pinto (pandeiro) no estúdio da Batuta

Exaltação à Mangueira (Enéas Brites da Silva e Aloísio Augusto da Costa) – Tantinho, Guilherme Sá (cavaquinho) e Aluísio Pinto (pandeiro) no estúdio da Batuta

Sem compromisso (Geraldo Pereira e Nelson Trigueiro) – Tantinho e Zeca Pagodinho

 

Apresentação: Luiz Fernando Vianna

Edição: Filipe Di Castro

 

Tantinho canta “Escurinha”

 

Tantinho canta “Que samba bom”

Tantinho canta “Ministério da Economia”

Tantinho canta “Exaltação à Mangueira”