O lançamento de O grande Gastby no cinema provocou novas edições da obra de F. Scott Fitzgerald. Paulo Roberto Pires fala por que o espalhafato visual do diretor Baz Luhrman combina pouco com uma das histórias mais tristes da literatura.

Edição e sonorização: Filipe Di Castro