Nelson Sargento, grande nome do samba e presidente de honra da Estação Primeira da Mangueira, completou 95 anos em 25 de julho de 2019. Dentre todas as homenagens que vêm sendo feitas a ele, uma é o relançamento do perfil Nelson Sargento: o samba da mais alta patente (editora Olho no Tempo), escrito pelos pesquisadores André Diniz e Diogo Cunha. Os dois autores selecionaram para a Batuta 19 composições que mostram o talento de Nelson. E, para a abertura, escalaram Flores em vida, que Moacyr Luz e Aldir Blanc fizeram em reverência ao mestre mangueirense.

Repertório

Flores em vida (Moacyr Luz e Aldir Blanc) – Moacyr Luz

Agoniza, mas não morre (Nelson Sargento) – Beth Carvalho

Encanto da paisagem (Nelson Sargento) – Zeca Pagodinho e Nelson Sargento

Cântico à natureza (Nelson Sargento, Alfredo Português e Jamelão) – Jamelão

Falso moralista (Nelson Sargento) – Paulinho da Viola

Idioma esquisito (Nelson Sargento) – Nelson Sargento

Rara (Nelson Sargento e Luiz Carlos da Vila) – Luiz Carlos da Vila

Dona Xepa (Nelson Sargento) – Elizeth Cardoso

Samba do operário (Nelson Sargento, Alfredo Português e Cartola) – Nelson Sargento

Sonho de um sambista (Nelson Sargento) – Nelson Sargento

Triângulo amoroso (Nelson Sargento) – Nelson Sargento

Velho Estácio (Nelson Sargento e Cartola) – Nelson Sargento e Galo Preto

Sinfonia imortal (Nelson Sargento e Agenor de Oliveira) – Nelson Sargento

Pela sombra (Nelson Sargento e Nei Lopes) – Mestre Marçal

Amante vadio (Nelson Sargento e Zé Luiz) – Zé Luiz do Império

Continente negreiro (Marreta e Nelson Sargento) – Tantinho da Mangueira

De boteco em boteco (Nelson Sargento) – Nelson Sargento

Falso amor sincero (Nelson Sargento) – Walter Alfaiate

Nas asas da canção (Nelson Sargento e Dona Ivone Lara) – Dona Ivone Lara

Papel reclame (Nelson Sargento) – Clementina de Jesus

 

Seleção: André Diniz e Diogo Cunha

Edição: Filipe Di Castro