Werner Herzog

Werner Herzog

Guilherme Freitas sobre ‘Caminhando no gelo’, de Werner Herzog

Werner Herzog andou de Munique até Paris para ver uma amiga doente. O motivo de ter optado pela jornada exaustiva e os sofrimentos da viagem estão no diário que virou livro. Guilherme Freitas, editor-assistente da revista serrote, destaca aspectos do relato “assombroso”, como a solidão.

10.04.2020