Na fase final da vida e da carreira, Aracy de Almeida levou sua sinceridade e seu humor ao extremo: jurada rabugenta do programa de Silvio Santos; brincadeiras sobre a própria sexualidade; respostas sem frescuras. Pediu a Caetano Veloso um samba escrachando os que queriam “salvar as glórias nacionais”. O resultado foi o ótimo A voz do morto. E virou mito da cena punk em São Paulo. Morreu em 1988 de edema pulmonar.

O último episódio tem Cristina Buarque, Olivia Byington e Marcos Sacramento lendo falas da cantora, explicando a paixão deles por Aracy e escolhendo regravações que fizeram de sambas do repertório dela.

Duração do episódio: 1:09:12

Repertório

Cafuné (Denis Brean e Gilberto Milfont) – Aracy de Almeida e Orquestra de Vadico (Continental, dez/55)

Conversa de samba (Denis Brean e Oswaldo Guilherme) – Aracy de Almeida (Continental, mai.jun/57)

Bom dia, tristeza (Adoniran Barbosa e Vinicius de Moraes) – Aracy de Almeida (Continental, mai.jun/57)

Você é um colosso (Noel Rosa) – Aracy de Almeida (Polydor, 59)

Não levo nada, não (Raimundo Olavo) – Aracy de Almeida (Philips, 60)

A razão dá-se a quem tem (Ismael Silva, Noel Rosa e Francisco Alves) – Aracy de Almeida e Ismael Silva (Polydor, 66)

Feitio de oração (Noel Rosa e Vadico) / O X do problema (Noel Rosa) / Três apitos (Noel Rosa) – Aracy de Almeida e conjunto do Roberto Menescal; introdução de Sergio Porto (Elenco, 66)

Não sou manivela (Ary Barroso) –  Aracy de Almeida (Elenco, 66)

A voz do morto (Caetano Veloso) – Aracy de Almeida (Continental, 68)

Devolva-me (Renato Barros e Lilian Knapp) – Aracy de Almeida e Sérgio Mallandro (3M, 86)

Tenha pena de mim (Cyro de Souza e Babaú) – Olivia Byington (MP,B, 1997)

Camisa amarela (Ary Barroso) – Marcos Sacramento (Tratore, 2017)

Gênio mau (Wilson Baptista e Rubens Soares) – Cristina Buarque (2000)

Último desejo (Noel Rosa) – Aracy de Almeida (Continental, 80)

 

Concepção, pesquisa e apresentação: Rodrigo Alzuguir e Pedro Paulo Malta

Locuções: Cristina Buarque, Olivia Byington e Marcos Sacramento

Edição: Filipe Di Castro