Ademar Casé foi uma figura precursora da cultura de entretenimento de massas no Brasil. Comandou o Programa Casé, desde o início dos anos 1930, programa que, com suas inovações de linguagem e um cast incomparável, fez um sucesso estrondoso no rádio. Como ele à frente, fez-se o primeiro jingle, a primeira encenação de casos verídicos, estabeleceram-se o pagamento de cachês e os contratos de exclusividade. No começo dos anos 1950, homem de visão empresarial aguçada, percebeu a virada no campo do entretenimento e tornou-se um homem da TV, associando-se a Assis Chateaubriand. Imigrante nordestino, enriqueceu e fez-se respeitado na então capital do Brasil. Homem de imensa capacidade de trabalho, teve que se aposentar por causa da excessiva dedicação à profissão. Viveu até os 90 anos, em 1993. Esse importante personagem da cultura de massas no Brasil tem sua dimensão retratada no documentário Programa Casé, dirigido por Estevão Ciavatta. Ouça agora uma entrevista com o diretor e, em seguida, algumas das canções que marcaram época no Programa Casé.

Repertório
Coração ingrato (Nássara e Frazão) – Sílvio Caldas
Minha terra tem palmeiras (João de Barro e Alberto Ribeiro) – Carmen Miranda
Serenata chinesa (João de Barro) – Nuno Roland com acompanhamento da Orquestra Tabajara do maestro Severino Araújo
 
Saudades do meu barracão (Ataulfo Alves) – Bando da Lua
Harmonia, harmonia (Hekel Tavares e Luiz Peixoto) – Jaime Redondo e grupo regional
Doutor em samba (Custódio Mesquita) – Mário Reis com acompanhamento de Diabos do Céu
De babado (Noel Rosa e João Mina) – Noel Rosa
Cidade brinquedo (Silvino Netto e Plínio Bretas) – Orlando Silva
Maracangalha (Dorival Caymmi) – Dorival Caymmi
Apresentação: Francisco Bosco
Produção: Carla Paes Leme
Edição: Filipe Di Castro e Carla Paes Leme