Os shows de Adriana Calcanhotto não são aglomerados de músicas, mas têm conceito. A mulher do pau-brasil, que está estreando em 2018, parte de Oswald de Andrade, antropofagia, modernismo. E essas referências lhe vieram com força por causa das temporadas em Portugal, onde vem dando aulas na Universidade de Coimbra, instituição hoje com 728 anos. É isso que ela explica em detalhes ao poeta Eucanaã Ferraz, consultor de literatura do IMS. “Ir para Coimbra não é fugir do Brasil, é encarar o Brasil”, afirma ela.

O Brasil do presente está encarado no roteiro do show. Ela incluiu duas músicas feitas em 2017 sobre o momento do país: As caravanas, de Chico Buarque, e Nenhum futuro, de João Bosco e Francisco Bosco. E selecionou O cu do mundo (Caetano Veloso), de 1991. “Parece que o Caetano fez essa música ontem”, justifica.

No estúdio da Batuta, ela canta O cu do mundo à capela, interpreta A mulher do pau-brasil, o sucesso Inverno e, ainda, Juízo final, o clássico de Nelson Cavaquinho com que encerra o show.

Repertório

A mulher do pau-brasil (Adriana Calcanhotto) – Adriana Calcanhotto no estúdio da Batuta

Inverno (Adriana Calcanhotto e Antonio Cicero) – Adriana Calcanhotto no estúdio da Batuta

O cu do mundo (Caetano Veloso) – Adriana Calcanhotto à capela no estúdio da Batuta, com participação de Eucanaã Ferraz

Juízo final (Nelson Cavaquinho e Elcio Soares) – Adriana Calcanhotto no estúdio da Batuta

 

Adriana Calcanhotto canta A mulher do pau-brasil:

Adriana Calcanhotto canta Juízo final:

Adriana Calcanhotto canta Inverno:

 

 

Apresentação: Eucanaã Ferraz

Edição: Filipe Di Castro