Nascido em 11 de julho de 1848, mestiço e pobre num país escravocrata, Joaquim Callado se impôs como nome fundamental na história da música brasileira, mesmo vivendo apenas 32 anos. Exímio flautista, o primeiro de uma longa série que tem Pixinguinha entre os expoentes, ele ficou conhecido como “o pai dos chorões”. Formou os primeiros conjuntos do gênero e é dele um dos primeiros choros de sucesso: A flor amorosa.

Casa do Choro homenageia Callado tocando gravações recentes de suas composições (além de uma com Ernesto Nazareth) e recordando sua vida e sua obra marcantes.

Repertório

A flor amorosa (Joaquim Callado) – Altamiro Carrilho – trecho

O que é bom (Joaquim Callado) – Toninho Carrasqueira, Nailor Proveta e conjunto

Querida por todos (Joaquim Callado) – Hercules Gomes e Rodrigo Castro

Linguagem do coração (Joaquim Callado) – Ernesto Nazareth e Pedro de Alcântara – trecho

Lundu característico (Joaquim Callado) – Toninho Carrasqueira, Nailor Proveta e conjunto

Salomé (Joaquim Callado) – Leonardo Miranda

Florinda (Joaquim Callado) – Leonardo Miranda

Souzinha (Joaquim Callado) – Marco Cesar, Paulo Sérgio Santos, Naomi Kumamoto e conjunto

 

O Casa do Choro, parceria com a instituição de mesmo nome, tem edições mensais, entrando no site da Batuta na segunda segunda-feira do mês. No mesmo dia, às 22h, vai ao ar na Rádio MEC FM do Rio de Janeiro (99.3 MHz).

Apresentação: Pedro Paulo Malta

Roteiro: Pedro Paulo Malta e Paulo Aragão

Edição: Alexandre Hang