Joaquim Ferreira dos Santos defende que Ataulfo Alves (1909-1969) não tem o reconhecimento que merece. Talvez por ter sido um artista que não viveu no limiar da marginalidade, não teve vida trágica nem enfrentou a decadência, o compositor mineiro seja menos cultuado pelos amantes do samba. É como pensa o cronista, que exalta aqui o autor de Ai, que saudades da Amélia, Pois é, Na cadência do samba e tantas outras músicas.

 

Apresentação: Joaquim Ferreira dos Santos

Edição: Filipe Di Castro