O escritor Ariano Suassuna participou, nos anos 1970, de um movimento musical no nordeste. Era a Música Armorial. Seria a tentativa de se fazer uma música erudita nordestina usando como inspiração as cantorias da região e seus acompanhamentos típicos, como a rabeca, a viola sertaneja e a banda de pífanos. Foi um movimento polêmico, de acento nacionalista, pois opunha-se, por exemplo, ao Tropicalismo, que tinha numa das suas inspirações a música pop internacional.

Ariano uniu-se aos músicos Jarbas Maciel, Clóvis Pereira e Cussy de Almeida, alunos de Guerra Peixe, ligado à vanguarda dodecafônica. Juntos criaram a Orquestra Armorial, um grupo de câmara para cultuar e amplificar, de um jeito erudito, o som daqueles instrumentos nordestinos. Regida por Cussy de Almeida, a orquestra ficou vinculada ao Conservatório Pernambucano.

A Armorial gravou cinco discos e excursionou pelo país, com Ariano Suassuna expondo ao início das apresentações o que seria o Movimento Armorial (havia conexões também com as artes plásticas, como é bom exemplo a gravura de Samico). Uma das grandes apresentações foi na Sala Cecília Meireles, no Rio.

O principal era mostrar um paralelo erudito entre a música nordestina e as raízes ibéricas, barrocas, que estavam na origem da região. O cancioneiro folclórico medieval também entrava no cardápio. Tudo junto era o passado e o presente se unindo na pretensão de renovar a música brasileira. O repertório era principalmente de Jarbas Maciel e Clóvis Pereira.

Era o Nordeste em versão clássica. O violino e a viola faziam na Orquestra Armorial o papel da rabeca. A banda de pífano tinha sua sonoridade transportada pela flauta e pela percussão. O cravo era a versão erudita da viola, ambos de cordas pinçadas e de aço. Os movimentos da música erudita também serviam de base para a Armorial. Na erudita os movimentos são Allegro, Adagio e Presto; na Armorial é Chamada, Aboio e Galope.

Não demorou muito e Ariano Suassuna rompeu com Cussy. O escritor queria instrumentos populares na Orquestra. Cussy não julgava aquilo importante. Dizia que a utilização dos instrumentos eruditos dava mais uniformidade sonora. Ariano foi em frente com o Quinteto Armorial, de instrumentos populares e músicos sem formação acadêmica. Um deles, Antonio Nóbrega. Outro representante do movimento, de muita penetração popular, mas sem radicalismo Armorial, foi o Quinteto Violado.

Músicas

5 Kyrie da missa sertaneja (Cussy de Almeida) – Orquestra Armorial

Rasga (Antonio Nóbrega) – Quinteto Armorial

No reino da pedra encantada (Cussy de Almeida) – Orquestra Armorial

Revoada (Antônio José Madureira) – Quinteto Armorial

Aboio (Cussy de Almeida) – Orquestra Armorial

Guerreiro (Antônio José Madureira) – Quinteto Armorial

Sem lei nem rei – 1º movimento (Capiba) – Orquestra Armorial

Romance da bela infanta (Antônio José Madureira) – Quinteto Armorial

Ponteio acutilado (Antonio Nóbrega) – Quinteto Armorial

 

Seleção: Joaquim Ferreira dos Santos

Edição: Filipe Di Castro