Maysa Figueira Monjardim nasceu em 6 de junho de 1936 em São Paulo, filha de classe média alta. Em 1954, casou-se com o industrial paulista André Matarazzo, descendente do conde Matarazzo. Em 1956, lançou um disco de dez polegadas pela gravadora RGE, o que provocou uma crise na relação com o marido, contrário à carreira artística da mulher. Separados em 1958, ela se mudou para o Rio de Janeiro, juntando-se aos músicos que começavam a desenhar a bossa nova. As canções tristes de Maysa não combinavam com o sol, o sorriso e a flor que sempre rondavam o novo gênero, mas o jeito de cantar, sem afetação, acabou fazendo com que fosse relacionada aos artistas do movimento. Era uma cantora de fossa moderna e também compositora, de letras todas muito tristes, mas com um texto coloquial parecido com o praticado pela bossa nova. Sua vida foi marcada por escândalos. Depois da separação de Matarazzo, entrou em depressão, era noticiada bêbada em boates de Copacabana, disputando os amores de Ronaldo Bôscoli com Nara Leão e outros casos que faziam a delícia das publicações sensacionalistas. Morou na Espanha, casada com o advogado espanhol Miguel Azanza. De volta ao Brasil, teve relacionamentos longos com o maestro Julio Medaglia e o ator Carlos Alberto. Maysa morreu em julho de 1977, aos 41 anos, num desastre em que chocou o carro que dirigia contra o muro da ponte Rio-Niterói. Suas canções são clássicos da mais elegante música de fossa – ou de dor de cotovelo, da decepção amorosa – da música brasileira, delicadezas doloridas situadas na transição entre o samba-canção e a bossa nova. Para lembrarmos os 80 anos de Maysa, Joaquim Ferreira dos Santos escolheu dez músicas representativas da obra de uma cantora original e de personalidade autoral na hora de compor. Sofre-se, mas quanta elegância!

Repertório

Meu mundo caiu (Maysa) – Maysa

Ouça (Maysa) – Maysa

Bom dia, tristeza (Adoniran Barbosa e Vinicius de Moraes)

Castigo (Dolores Duran) – Maysa

Chora tua tristeza (Oscar Castro Neves e Luvercy Fiorini) – Maysa

Eu não existo sem você (Antonio Carlos Jobim e Vinicius de Moraes) – Maysa

Suas mãos (Pernambuco e Antonio Maria) – Maysa

Se todos fossem iguais a você (Antonio Carlos Jobim e Vinicius de Moraes) – Maysa

Felicidade infeliz (Maysa) – Maysa

Fim de noite (Chico Feitosa e Ronaldo Bôscoli) – Maysa

 

Seleção: Joaquim Ferreira dos Santos

Edição: Filipe Di Castro