Ouve essa

O programa, também veiculado na Rádio UFRJ, apresenta gravações do acervo do IMS, formado em sua grande maioria por discos em 78 rotações por minuto. A seleção e a apresentação são de Joaquim Ferreira dos Santos. A fonte é o site discografiabrasileira.com.br, com mais de 46 mil fonogramas.

E daí?

E daí?

Isaurinha Garcia, de forte sotaque paulistano, foi uma das maiores cantoras de sambas. Acompanhada do órgão de Walter Wanderley, ela mostra em E daí? porque era chamada de "A personalíssima".

23.11.2020

Mulher

Mulher

O gênero fox-canção estava em alta em 1940, quando Mulher fez sucesso na voz de Sílvio Caldas. O autor da melodia, Custódio Mesquita, seria reconhecido por Tom Jobim e outros como um precursor da moderna música brasileira.

16.11.2020

Linda morena

Linda morena

A marchinha de Lamartine Babo, cantada por Mario Reis e com um arranjo de Pixinguinha que se tornou célebre, é um marco na história das gravações voltadas para o carnaval.

09.11.2020

Baião

Baião

Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira compuseram Baião para lançar um novo gênero nordestino no Sudeste do país. A gravação de Gonzaga, de 1949, é a segunda da música, mas se consagrou como a mais importante.

02.11.2020

É doce morrer no mar

É doce morrer no mar

Parceria com o amigo Jorge Amado, É doce morrer no mar está no primeiro disco em 78 rotações por minuto que Dorival Caymmi gravou acompanhado apenas do próprio violão, em 1941. Letra sombria e sonoridade enxuta mostram o melhor do artista baiano.

26.10.2020

Copacabana

Copacabana

Dick Farney, que até então só cantava em inglês, foi convencido a gravar Copacabana em 1946 e transformou a composição de Alberto Ribeiro e Braguinha num marco do samba-canção. A voz parecia dizer a letra no ouvido da pessoa amada.

19.10.2020

Chega de saudade

Chega de saudade

Depois de anos sem gravar, João Gilberto reapareceu em 1958 com outro canto, outro violão, outro capítulo na história da música brasileira. Era a sua versão de Chega de saudade, de Tom Jobim e Vinicius de Moraes.

12.10.2020

Meu primeiro amor

Meu primeiro amor

Francisco Alves foi pioneiro na interpretação de músicas de compositores do Estácio, bairro carioca onde nasceu o samba moderno. O cantor comprava sambas e às vezes entrava na parceria, mas esta aqui está assinada apenas por Bide e Marçal.

05.10.2020