Mesmo com a voz sem o brilho dos melhores anos, Orlando Silva nunca parou de cantar. Permaneceu gravando discos e fazendo shows entre as décadas de 1940 e 1970, ainda que mais distante do sucesso. Cometeu até a ousadia de regravar as músicas que havia transformado em clássicos, opção que não se mostrou das melhores, como prova João Máximo no episódio final da série. Até morrer em 1978, aos 62 anos, o que Orlando nunca perdeu foi o respeito e admiração de colegas de profissão e do público.

Músicas

Saudade (Dorival Caymmi e Fernando Lobo) – 1947

Longe dos olhos (Djalma Ferreira e Cristóvão de Alencar) – duo com Francisco Alves – 1951

Perdoa, meu amor (Georges Moran e J.G de Araújo Jorge) – 1952

Inquietação (Ary Barroso) – 1953

Mulher (Custódio Mesquita e Sadi Cabral) – 1954

Carinhoso (Pixinguinha e João de Barro) – 1959

Lábios que beijei (J. Cascata e Leonel Azevedo) – 1961

A primeira vez (Bide e Marçal) – João Gilberto – 1961

Carolina (Chico Buarque) – 1973

Enquanto houver saudade (Custódio Mesquita e Mário Lago) – 1938

 

Concepção, roteiro e apresentação: João Máximo

Edição e sonorização: Filipe Di Castro